Quarta-feira, 19 de Março de 2008

Professora nova 4

Foi um choque frontal.
Eu entrava na porta principal da piscina para ir ao bar e ela surgiu rapidamente contra mim.

A cara lavada revelava como nunca as poucas sardas nas suas faces, os olhos vermelhos da água realçavam o brilho luminoso e indefinido do verde azulado ou azul esverdeado do seu olhar de nascente de água penetrante.
O cabelo comprido e louro escorria lentamente sobre uma blusa preta justa que moldava o peito liberto e húmido com os bicos bem pronunciados.

Umas calças cinzentas justas de fato de treino manchadas pela água do corpo mal seco, sem marcas de outras peças de roupa no interior, não retinham umas gotas de água que escorriam para os pés amparados por uns chinelos brancos e que deixavam as marcas pelo corredor.

Ofereci um café, que aceitou entusiasticamente, depois de pedir perdão do choque com a desculpa da pressa de chegar a casa.
Sentados na esplanada, enquanto se desenvolvia a conversa do que cada um faz aqui, fui saboreando cada pedaço com os olhos. Estava particularmente atraente e apelativa naquele dia. Não há dúvida alguma, preferia vê-la assim do que produzida no seu dia a dia na escola.

Pediu desculpa novamente mas na realidade tinha pressa porque já devia estar em casa há muito.
Saí com ela e ofereci boleia para a levar a casa. Não era longe mas não era necessário ir a correr. Aceitou.
Quando ligo o carro agradece-me a boleia e dá-me um beijo, passeando os seus dedos pela minha cara. Enquanto a sua língua rompe os meus lábios, abraça-me com força.
Facilmente os meus braços trazem o seu corpo para o meu colo. Sinto o seu cabelo procurar o meu peito ao mesmo tempo que os seus dedos abrem a minha camisa.

Finalmente fico a saber que por debaixo daquele vestuário só existe um corpo húmido a vibrar na revelação de cada toque dos meus dedos.
O meu olhar cruza com o olhar de uns miúdos que passam ao lado do carro. Por acaso não são meus alunos, mas dá para pensar que se calhar aquele local não será o mais indicado para estar naquela marmelada.

Digo-lhe que se calhar é melhor pensar sair dali, ela fica um pouco nervosa tentando o impossível para esconder-se.
Só pensa que tem de ir embora para casa. Faço a vontade.
Pelo caminho faço o meu jogo de sedução para um encontro que nos permita estar mais à vontade.

 
Fica a promessa, na Quarta-feira, a hora e o local combinado para o encontro.
Algo me diz que não devo ter muita esperança. Vai acontecer alguma coisa para levar com os pés. Tento não criar muita expectativa.
Até Quarta!

Fecho Aberto
segredos de buonarotti2 às 08:17
chave secreta | aconselhar | preferir
|

*vivências partilhadas

*Calendário

*Prémio

*passearam com due e tto

a href="http://easyhitcounters.com/stats.php?site=buonarotti" target="_top">Counters
Free Counter

*o que contamos

* Mais um vídeo do nosso am...

* Glamour........

* árvore de natal 2

* Árvore de Natal

* acessórios

* parafilia

* ah! os pés!

* dicionário de fétiches

* bondage 4

* bondage 3

* bondage2

* bondage 1

* As manas

* Dicas práticas para menin...

* Sexo seguro

* Sexo - vida de casado

* tantric2

* tantric

* último tango emParis

* masks

* Lá fora começou a chover,...

* Trio improvável

* Poema de amor aguado

* A verdadeira história da ...

* Madonna - Erotica

* Ariel Strip

* Noites de verão

* Ah! o noso blog é quente!...

* Publicidade porta-a-porta

* cada um come do que gosta

* Boas férias!

* Viagem a Marrocos

* As mulheres excitam-me, n...

* Ora bolas!

* Princesa

* Fogo e paixão

* Atrás da porta

* Me deixas louca

* Problema com a tvcabo

* Desejo...

* Portugal, sempre!

* Guerra de mulheres

* Espero-te

* Domina-me

* Regresso ao passado 3

* Prelude du Fornication

* Banheiro

* Namoro digitalizado

* Empregada safada

* Gifmania II

*Retractos anónimos

*fechaduras... espreite:)

*Pirata

*Devoradora

*pesquisar

 

*Apelativa