Segunda-feira, 24 de Março de 2008

Professora nova 5

Quarta feira. Ponto de encontro combinado, uns minutos mais cedo, uma certa ansiedade misturada com uma pitada de confiança e outra de descrença. Enquanto tento adivinhar o estar ou não estar por acontecer este encontro, organizo temporalmente os vários acontecimentos desta relação de não-relação ou quase-relação, e não consigo chegar a uma conclusão. Tudo isto está fora do meu controle e isso perturba-me. Não me sinto verdadeiramente aliciado, desta vez, pelo "...deixa ver o que isto dá...". Com os minutos a passar para além da hora combinada, aumenta a descrença. Claro que não ia aparecer, sempre teve a opção do momento único, sem preparações, sem combinações.


Tal como eu, não deixaria de sentir algum receio de ser vista, reconhecida, divulgada, julgada, condenada. Não vale a pena. Ela não vai aparecer. Talvez esteja por ali a observar-me às escondidas e a divertir-se à custa do cachorro abandonado. Passam quarenta e cinco minutos da hora, tento convencer-me que o melhor é sair dali. Talvez ela esteja na escola, que é ali perto. Não estará a ter aulas porque os alunos foram a uma visita de estudo, mas poderá estar na sala de professores a conversar. Ou então preferiu ficar em casa. Uma hora é demais. Entro no carro que desliza suavemente até à entrada da escola, onde está a conversar com uma colega nossa. Procuro um lugar suficientemente distante para a manter no meu campo visual e ao longo do percurso que ela faz para casa. Tenho a certeza que me viu porque vem na minha direcção a sorrir. Entra na viatura após observar a envolvente e pede para sair dali. Pede desculpa de não ter ido ao ponto de encontro mas dado que conhece muitas pessoas naquele lugar era melhor não arriscar.


Percebo que ela não se sente à vontade. Durante a hesitação da conversa de para onde ir, vou secretamente guiando o carro para um pequeno hotel, onde já estive a beber café e que me seduziu particularmente pelas suas linhas tradicionais da arquitectura portuguesa. Aos poucos e poucos vou conhecendo aquela bonita mulher, através das suas palavras, das suas histórias. Hoje está particularmente conversadora. Interessante, hoje ainda nem um beijo recebi. Passo o portão, entro no estacionamento e arrumo a viatura ao fundo, ela olha pelo vidro traseiro e comenta que não conhecia aquele hotel. Eu digo-lhe que por isso mesmo estava ali comigo.


Sorriu, tirou o cinto, e beijou-me delicadamente nos meus lábios. Saí do carro, dou a volta, abro-lhe a porta, dou-lhe a mão, ela sai, eu abraço-a e digo-lhe apenas "desta vez não te deixo ir embora". Ela respondeu "hoje sou toda tua".
Vamos fazer o check-in?
 

Fecho Aberto
segredos de buonarotti2 às 12:14
chave secreta | aconselhar | preferir
|

*vivências partilhadas

*Calendário

*Prémio

*passearam com due e tto

a href="http://easyhitcounters.com/stats.php?site=buonarotti" target="_top">Counters
Free Counter

*o que contamos

* Mais um vídeo do nosso am...

* Glamour........

* árvore de natal 2

* Árvore de Natal

* acessórios

* parafilia

* ah! os pés!

* dicionário de fétiches

* bondage 4

* bondage 3

* bondage2

* bondage 1

* As manas

* Dicas práticas para menin...

* Sexo seguro

* Sexo - vida de casado

* tantric2

* tantric

* último tango emParis

* masks

* Lá fora começou a chover,...

* Trio improvável

* Poema de amor aguado

* A verdadeira história da ...

* Madonna - Erotica

* Ariel Strip

* Noites de verão

* Ah! o noso blog é quente!...

* Publicidade porta-a-porta

* cada um come do que gosta

* Boas férias!

* Viagem a Marrocos

* As mulheres excitam-me, n...

* Ora bolas!

* Princesa

* Fogo e paixão

* Atrás da porta

* Me deixas louca

* Problema com a tvcabo

* Desejo...

* Portugal, sempre!

* Guerra de mulheres

* Espero-te

* Domina-me

* Regresso ao passado 3

* Prelude du Fornication

* Banheiro

* Namoro digitalizado

* Empregada safada

* Gifmania II

*Retractos anónimos

*fechaduras... espreite:)

*Pirata

*Devoradora

*pesquisar

 

*Apelativa