Quinta-feira, 3 de Janeiro de 2008

Mulher Egípcia

 

“Bati de novo, com um pouco mais de força. Desta vez ouvi ruído de gente, no interior, e depois uma voz a perguntar quem era, junto da porta, ao mesmo tempo que o puxador girava. Empurrei a porta e entrei às cegas na sala às escuras. Caí direitinho nos braços dela e senti-a nua debaixo do roupão meio aberto. Devia ter acordado de um sono profundo s só vagamente teria consciência de quem a abraçava. Quando compreendeu que era eu, tentou libertar-se, mas eu apertei-a e comecei a beijá-la apaixonadamente e ao mesmo tempo a empurrá-la, de costas, para o sofá que estava perto da janela.

Murmurou qualquer coisa acerca da porta aberta, mas eu não quis correr o risco de a deixar safar-se-me dos braços. Por isso, fiz um pequeno desvio e, pouco a pouco, empurrei-a para a porta, obrigando-a a fechá-la com o cu. Dei a volta à chave, com a mão livre, conduzi-a para o meio da sala e, com a mesma mão livre, desabotoei a braguilha e pus a picha em posição. A rapariga estava tão bêbada de sono que era como entreter-me com um autómato. No entanto, percebi que lhe agradava a ideia de ser fodida meio a dormir. O pior é que cada vez que eu mergulhava, ela acordava mais um bocadinho. E à medida que ficava mais consciente ficava também mais assustada. Era difícil saber como adormecê-la de novo sem perder uma boa foda.

Consegui atirá-la para cima do sofá sem perder terreno, enquanto ela se tornava cada vez mais desejosa e começava a torcer-se e a contorcer-se como uma enguia. Não creio que tivesse aberto os olhos uma única vez, desde que começara a agarrá-la. Dizia a mim mesmo, repetidamente: «Uma foda egípcia… uma foda egípcia…», e, para não me vir imediatamente, comecei a pensar no cadáver que Mónica trouxera consigo para a Grand Central Station e nos trinta cêntimos que deixara a Pauline, na auto-estrada.

De súbito, zás! Batem à porta, com força, ela arregala os olhos e fita-me cheia de terror. Comecei a tirar-me rapidamente, mas, para minha surpresa, prendeu-me e segredou-me ao ouvido: «Não te mexas! Espera!» Bateram de novo e a seguir ouvi a voz de Kronski dizer: «Sou eu Thelma… sou eu Izzy.» Quase rebentei a rir.

Recaímos numa posição natural e, como ela fechasse de novo os olhos, movimentei-me dentro dela devagarinho, para não a reacordar. Foi uma das fodas mais maravilhosas da minha vida. Parecia que ia durar eternamente.”

Trópico de Capricórnio – Henry Miller
segredos de buonarotti2 às 16:56
chave secreta | preferir
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 


*vivências partilhadas

*o que contamos

* Mais um vídeo do nosso am...

* Glamour........

* árvore de natal 2

* Árvore de Natal

* acessórios

* parafilia

* ah! os pés!

* dicionário de fétiches

* bondage 4

* bondage 3

* bondage2

* bondage 1

* As manas

* Dicas práticas para menin...

* Sexo seguro

* Sexo - vida de casado

* tantric2

* tantric

* último tango emParis

* masks

* Lá fora começou a chover,...

* Trio improvável

* Poema de amor aguado

* A verdadeira história da ...

* Madonna - Erotica

* Ariel Strip

* Noites de verão

* Ah! o noso blog é quente!...

* Publicidade porta-a-porta

* cada um come do que gosta

* Boas férias!

* Viagem a Marrocos

* As mulheres excitam-me, n...

* Ora bolas!

* Princesa

* Fogo e paixão

* Atrás da porta

* Me deixas louca

* Problema com a tvcabo

* Desejo...

* Portugal, sempre!

* Guerra de mulheres

* Espero-te

* Domina-me

* Regresso ao passado 3

* Prelude du Fornication

* Banheiro

* Namoro digitalizado

* Empregada safada

* Gifmania II

*fechaduras... espreite:)

*pesquisar